• <Página inicial

Estruturas do Raciocínio

Estruturas do Raciocínio

Entendendo o raciocínio

Há anos, os educadores vêm trabalhando para desenvolver uma estrutura simples e prática a fim de ajudar os professores na hora de ensinar seus alunos a raciocinar. O resultado foi um conjunto confuso de termos que normalmente se sobrepõem e para os quais cada autor tem sua própria definição. Esta seção tenta esclarecer a pesquisa sobre a capacitadade cognitiva.

Taxonomia de Bloom ›
De longe, o modelo mais comum para descrever o raciocínio é a Taxonomia de Bloom – uma lista de seis capacitadades cognitivas que vão do nível mais elementar ao mais avançado. Essas descrições são empregadas para ajudar professores e alunos a se concentrar na capacitadade cognitiva da mais alta ordem. Bloom lista uma hierarquia de capacitadades: conhecimento, compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação.

Taxonomia de Marzano ›
Robert Marzano, em resposta aos problemas que ele via na Taxonomia de Bloom, desenvolveu o que ele chama de Nova Taxonomia dos Objetivos Educacionais. Seus quatro sistemas: interno, metacognitivo, cognitivo e o domínio do conhecimento trabalham juntos para produzir a aprendizagem. Geralmente, as informações sobre capacitadade cognitiva são organizadas em torno de seu trabalho.

Estilos de aprendizagem ›
Uma pesquisa sugere que, quando os alunos são apresentados a um novo conceito por meio de seus estilos de aprendizagem, são capazes de se adaptar a formas diferentes de ensino. Levar em conta os estilos de aprendizagem também resulta em maior motivação e aprendizagem. Muitas estruturas sugeriram descrever as diferentes formas como os alunos aprendem. A estrutura usada com mais freqüência identifica os alunos como visuais, auditivos ou cinestésicos. O trabalho de Howard Gardner (1993) sobre múltiplas inteligências tocou vários educadores ao identificar oito maneiras diferentes de como os alunos podem ser "inteligentes": lingüística, lógico-matemática, espacial, físico-cinestésica, musical, interpessoal, intrapessoal e naturalista.

Referências

Anderson, L. W. e Krathwohl, D. R. (2001). A taxonomy for learning, teaching, and assessing. New York: Longman.
http://wer.inf.puc-rio.br/wer03/artigos/edinelson_batista.pdf*

Bloom, B.S., (Ed.) (1956). Taxonomy of educational objectives: The classification of educational goals: Handbook I, cognitive domain. New York: Longmans.

B. Bloom et al., Taxonomia de Objetivos Educacionais. Domínio Cognitivo.Ed. Globo, Porto Alegre, 1974.

Rodrigues, José . - A taxonomia de objetivos educacionais - um manual para o usuário. Editora UNB, 2 edição 1994.

BONNIOL, J.J.; VIAL, M. Modelos de avaliação: textos fundamentais. Porto Alegre/RS: Artmed Editora Ltda, 2001.

BORDENAVE, J. D.; CARVALHO, H. M. de. Comunicação e planejamento. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1979.

CHIANCA, Thomaz; MARINO, Eduardo; SCHIESARI, Laura. Desenvolvendo a cultura de avaliação em organizações da sociedade civil. São Paulo: Global Editora, 2001.

ANDRADE, D. and CAMPOS, M. de. Analyses of the cognitive process in the construction of the Lissajous figures. Rev. Bras. Ens. Fis. [online]. 2005, vol. 27, no. 4 [cited 2007-02-02], pp. 587-591.
Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-47442005000400012&lng=en&nrm=iso* ISSN 0102-4744. doi: 10.1590/S0102-47442005000400012.

Classificação de Bloom. http://www.webquest.futuro.usp.br/recursos/bloom.html*

Taxonomia dos objetivos educacionais. http://pt.wikipedia.org/wiki/Taxonomia_dos_objetivos_educacionais*

Taxonomia de Objetivos Educacionais de Bloom.
http://penta2.ufrgs.br/edu/bloom/teobloom.htm*

http://penta2.ufrgs.br/edu/bloom/bloom.htm*

http://www.dynamiclab.com/moodle/mod/forum/discuss.php?d=436

http://eco.unne.edu.ar/contabilidad/costos/VIIIcongreso/096.doc* (doc)

http://www.eses.pt/usr/ramiro/mestria.htm*

Gardner, H. (1993). Multiple intelligences: The theory in practice. New York: Harper Collins.

Gadamer, H.-G. (2002). Verdade e método : traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução

Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes (Coleção Pensamento Humano).

Gardner, H. (1994). Estruturas da mente : a teoria das inteligências múltiplas. Tradução Sandra Costa. Porto Alegre: Artmed.

Gardner, H. (1995). Inteligências múltiplas : a teoria na práti ca. Tradução Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artmed (reimpressão em 2000).

Gardner, H. (1998). Inteligência : múltiplas perspectivas. Tradução Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artmed.

Gardner, H..(1999). O verdadeiro, o belo e o bom : os princípios básicos para uma nova educação. Tradução Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Objetiva.

Gardner, H. (2000). Inteligência : um conceito reformulado. Tradução Adalgisa Campos da Silva. Rio de Janeiro: Objetiva.

Gardner, H. (2004). Trabalho qualificado : quando a excelência e a ética se encontram. Tradução de Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artmed/Bookman.

Gibson, W. (2003). Neuromancer . Tradução Alex Antunes. São Paulo: Aleph.

Lent, R. (2004). Cem bilhões de neurônios : conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo: Atheneu.

Marzano, R. J. (2000). Designing a new taxonomy of educational objectives. Thousand Oaks, CA: Corwin Press.
http://www.unisa.br/cbel/artigos04/04_williamgreen_pt.pdf*
http://www.saum.uvigo.es/reec/volumenes/volumen3/Numero3/ART1_VOL3_N3.PDF*

Conheça as diversas estruturas para o desenvolvimento cognitivo.