• <Página inicial

Perguntas frequentes sobre o Driver de mídia e gráficos embarcados Intel® (Intel® EMGD)

Linux*

1.  Posso obter o código de origem para o driver do Linux*?

 

Sim e Não. A origem completa do driver não está disponível. Contudo, fornecemos o componente inteiro do kernel do driver Linux no formato original, sob a Licença Pública Geral GNU de origem aberta, V2 (http://www.gnu.org/licenses/old-licenses/gpl-2.0.html). Esse código do kernel contém a Camada completa de Abstração do Hardware (Hardware Abstraction Layer — HAL) usada para programar o adaptador de vídeo e executar operações, como configuração de modos e gerenciamento de memória. É possível encontrar esse código do kernel dentro do arquivo IEMGD_HEAD_LINUX/{linux version}/driver/emgd_drm.tgz do pacote de instalação gerado pelo CED (Intel® EMGD Configuration EDitor).

 

Infelizmente, a origem da parte do espaço do usuário do driver Linux, incluindo o driver X e a implementação da pilha 3D, não está disponível. Embora saibamos a importância atribuída pela comunidade Linux aos drivers abertos, grande parte de nosso código do driver do espaço do usuário procede de tecnologia licenciada de terceiros que a Intel não tem autorização para distribuir no formato de código de origem. Em vez disso, com o Driver de mídia e gráficos embarcados Intel® (Intel® EMGD), nós nos concentramos em abrir a origem das partes de nosso driver que legalmente podemos fazer. Deslocar nossa implementação da HAL para o kernel para o Intel EMGD foi um grande avanço, em comparação com as versões do driver Linux para os nossos Drivers de Gráficos Embarcados Intel® (Intel® EGD) (o Intel EGD implementou a HAL em código do espaço do usuário de origem fechada).

 

2.  Quais são algumas das diferenças de alto nível entre o driver de gráficos Linux* da Intel® de origem aberta e o Intel EMGD?

 

Os drivers de gráficos embarcados Linux* da Intel têm algumas diferenças em relação ao driver de gráficos Linux, de origem aberta:

 

  • No Intel EMGD, há suporte para o hardware não coberto pelo driver de origem aberta: Chipset US15W do Intel® System Controller Hub e Processador Intel® Atom™ Série E6xx.

 

  • O Intel EMGD dispõe de um suporte padrão totalmente desenvolvido para as APIs 3D embarcadas (OpenGL-ES 1.1 e 2.0 e OpenVG 1.1), além de fornecer suporte da OpenGL 2.1 de desktop semelhante para os drivers de origem aberta.

 

  • Os clientes do Windows* e Linux* podem utilizar uma ferramenta de configuração simples (CED) para gerar rapidamente as configurações para os dois sistemas operacionais. As versões do Intel EMGD são suportadas pela Intel através do banco de dados de perguntas e respostas (QUAD) para um ciclo de vida prolongado.

 

3.  Quais são as distribuições do Linux atualmente compatíveis com o Intel EMGD V1.18?

 

O Intel EMGD e o BIOS de vídeo são compatíveis com os seguintes sistemas operacionais e APIs do Linux*:

 

  • Fedora 14 (imagem da Timesys Fedora Remix*), versão do kernel 2.6.35, Xorg 1.9, Libva 1.0.12, Mesa 7.9. A fonte é distribuída pela Timesys.
  • MeeGo* IVI 1.2, versão do kernel 2.6.37, Xorg 1.9, Libva 1.0.12, Mesa 7.9

 

Para obter informações adicionais, faça download do guia de usuário e da matriz de recursos.

 

 

4.  Agora que eu instalei o Linux e o Intel EMGD, como posso clonar o HDD antes de instalar outro software e aplicações?

 

Baixe ou solicite a publicação técnica chamada Cloning Linux Drives Using MondoArchive. Ele está disponível como o documento nº 449300 através do Intel® Business Portal.

 

5.  Qual é um bom teste comparativo para o OpenGL* no Linux?

 

Para verificar se o OpenGL* está funcionando, em termos gerais, o ‘glxgears’ costuma ser aplicado como um teste de funcionamento rápido, uma vez que ele vem pré-instalado pela maioria das distribuições do Linux. Infelizmente, apesar de exibir um resultado de quadros por segundo, o glxgears é realmente uma ferramenta muito deficiente para ser utilizada como parâmetro de comparação. A carga 3D gerada pelo glxgears é tão comum, que uma grande parte do tempo de execução é dedicado apenas a ir para frente e para trás entre o buffer traseiro e o frontal. Portanto, o fps apresentado pelo glxgears é mais uma indicação da agilidade com que você pode alternar entre os buffers, em vez de um real desempenho 3D do hardware. Em vez disso, a maioria da comunidade Linux depende de aplicações que executam uma verdadeira renderização 3D. Um conjunto de aplicações recomendadas, que podem ser utilizadas para fins de teste (basicamente, demos de jogos) e instruções sobre como colocá-los no “modo comparativo” estão disponíveis no seguinte site da freedesktop.org: http://dri.freedesktop.org/wiki/Benchmarking

Conversas